Douglas Wires, nasceu em 1971, é casado e mora atualmente no Rio de Janeiro, atuando no mercado de turismo desde 1995. Fluente em inglês, é emissor Amadeus e Sabre de passagens aéreas nacionais e internacionais. Trabalhou em empresas como: VARIG, OCEANAIR e CARLSON WAGONLIT, adquirindo sólidos conhecimentos e experiência em cálculos de tarifas aéreas, supervisão de reservas e negociação de serviços de viagens.

COMO EVITAR QUE O PAX SEJA COBRADO DUAS VEZES NO CARTÃO DE CRÉDITO AO COMPRAR UMA PASSAGEM AÉREA

Se isso já aconteceu contigo e você não sabe o porquê, leia esse tutorial para entender como um dos erros mais frequentes ocorre por inexperiência de agentes de viagens.

CENÁRIO 1 – ENTENDENDO A ORIGEM DO PROBLEMA
Suponhamos que você irá emitir essa reserva...

...E ao aplicar a entrada de emissão do sistema Amadeus: TTP/ET
O GDS limpa a tela que exibe o PNR e mostra alguma das seguintes mensagens de aviso: “Insert FOID” “Eletronic ticket not permitted”


CENÁRIO 2 – RETRANSMISSÃO DA ENTRADA DE EMISSÃO, APÓS TOMADA DE AÇÕES
Ao ler a mensagem de aviso, o agente de viagens, utilizando a mesma tela que exibe essas mensagens, toma uma das seguintes ações:
a) Insere a informação de FOID no sistema e retransmite a entrada de emissão: >SR FOID JJ HK1-PPASK >RFPAX >ER >TTP/ET
b) Retransmite a entrada de emissão mudando a forma de emissão de E-TKT para físico (bilhete de papel): >TTP/PT
E pronto! O bilhete foi emitido e o problema criado sendo percebido somente pelo pagador quando receber a próxima fatura do cartão cobrando dele duas vezes o valor de uma única passagem aérea que ele comprou.
Mas... Onde está o erro se o bilhete foi emitido corretamente e o passageiro viajou sem problema algum no embarque?

CENÁRIO 3 – DESCOBRINDO O ERRO
O erro ocorre justamente no procedimento do CENÁRIO 2.
Certas mensagens de erro e aviso exibidas pelos GDS restringem a emissão do bilhete aéreo enquanto tais informações exigidas pelo GDS não forem inseridas na reserva (PNR). Porém, essas mensagens não restringem a obtenção do código de aprovação de débito da administradora do cartão.
Quando o GDS exibiu no CENÁRIO 2 uma das mensagens de aviso, o erro do agente de viagens foi de não ter revisado a reserva para saber se tal código de aprovação de débito foi gerado ao lado do número do cartão.

Esse código de 6 dígitos é identificado ao aparecer ao lado da letra A, conforme mostrado na tela abaixo.

OBSERVAÇÃO: O código de aprovação de débito que está sendo exibido na tela acima, refere-se ao segundo débito no cartão de crédito do passageiro, pois quando foi transmitido pela segunda vez a entrada de emissão (TTP/ET ou TTP/PT), um novo código de débito substituiu o anterior (original), registrando-o no histórico da reserva.

CENÁRIO 4 – EVITANDO O PROBLEMA
Retornando ao CENÁRIO 2, o procedimento correto para evitar que o pagador seja cobrado duas vezes na fatura do seu cartão de crédito, é fazer uma ligeira modificação na linha do PNR que informa a forma de pagamento, seguindo esses passos:

PASSO 1 – Retorne ao PNR, e você verá que a reserva será exibida sem o número do bilhete aéreo mas com o registro do primeiro código de aprovação de débito gerado após a primeira transmissão da entrada de emissão. Agora, copie toda a linha da forma de pagamento.


PASSO 2 – Cancele, agora, a mesma linha da forma de pagamento que você copiou.

PASSO 3 – Cole, no PNR, a linha da forma de pagamento que você copiou, sem transmitir a entrada.


PASSO 4 – Mude a letra A, que identifica o código de aprovação de débito no cartão, para a letra N.


PASSO 5 – Feche a reserva e emita o PNR: TTP/ET ou TTP/PT.
Emissão terminada com sucesso e o pagador cobrado apenas uma única vez, mesmo tendo aplicado duas vezes a entrada de emissão! Isso se deve ao fato da mudança da letra A para a letra N. O sistema entende que tal mudança é para aproveitar o mesmo código de aprovação gerado anteriormente, e não para debitar outra vez a mesma quantia.

Postar um comentário

CADASTRE SEU EMAIL E SEJA AVISADO SOBRE NOVAS POSTAGENS 

ÍNDICE DO BLOG