Douglas Wires, nasceu em 1971, é casado e mora atualmente no Rio de Janeiro, atuando no mercado de turismo desde 1995. Fluente em inglês, é emissor Amadeus e Sabre de passagens aéreas nacionais e internacionais. Trabalhou em empresas como: VARIG, OCEANAIR e CARLSON WAGONLIT, adquirindo sólidos conhecimentos e experiência em cálculos de tarifas aéreas, supervisão de reservas e negociação de serviços de viagens.

FERRAMENTAS DE TRABALHO PARA AGÊNCIAS DE VIAGENS

Ferramentas como MSN, SKYPE, Outlook, site na internet, telefone e um computador são o básico para qualquer empreendedor iniciar suas atividades de venda no mercado com o mínimo de custo possível. Porém, além delas, outras mais específicas tornam-se indispensáveis para a sobrevivência da agência no mercado, principalmente no ramo de serviços de viagens para órgãos do governo e empresas particulares.
GDS


Global Distribution Systems são sistemas cuja função é a intermediação eletrônica, como meio de comunicação, entre as agências de viagens e as companhias aéreas, hotéis, locadoras de veículos, operadoras, etc. Oferecem de maneira prática a possibilidade de você efetuar reservas e também fazer a emissão de todos esses produtos da área do turismo, facilitando a venda para a agência de viagens. Os 3 principais GDS no mundo são:
Além desses existem outros agregadores de conteúdo turístico, que se tornam com um foco um pouco mais regional (limitado), como por exemplo no Brasil:
  1. Cions (que faz parte agora do grupo Travel Technology Interactive)
PREÇO: O valor depende da análise do cliente pelo fornecedor. Existem contratos que são feitos por licença de uso mais taxa de manutenção mensal, contratos que cobram um valor por transação e outros modelos. Cada fornecedor também pratica seus próprios preços, por isso, não há outra forma de se informar sobre valores a não ser, ligando para cada um deles.


SELF-BOOKING TOOL (SBT)
Esse é o nome genérico dos sistemas de auto-reserva de vôos, hospedagens, locação de carro e outros serviços de viagens. Apesar de criadas nos EUA no final dos anos 90, estas ferramentas se tornaram mais conhecidas no Brasil somente a partir de 2003, ano em que as principais cias. aéreas brasileiras optaram por plataformas próprias de distribuição. Hoje, um eficiente SBT transformou-se em um verdadeiro sistema de gestão de viagens corporativas oferecendo fluxo de autorização eletrônica, controle da política de viagens da empresa, gráficos e relatórios gerenciais em tempo real, além de self ticket, que permite ao cliente realizar todas as etapas do processo, desde a disponibilidade, tarifação e reserva, até a própria emissão do bilhete! Aliado ao SBT, temos o TRAVEL MANAGER, que passa a dispor do poder de gerenciar processos e comportamentos dos passageiros, além de acompanhar o passo a passo de cada serviço fornecido pela agência, operando uma verdadeira auditoria online.
Segue uma lista dos principais sistemas Self-Booking disponíveis no mercado do turismo:
  1. Amadeus Master Pricer (Amadeus)
  2. Viagens (Senior)
  3. e-Business Travel (Benner Sistemas)
  4. ITM – International Travel Management (ITM)
  5. Corporate Travel (Wooba)
  6. Self-Booking (Lemontech)
PREÇO: O valor depende da análise do cliente pelo fornecedor. Existem contratos que são feitos por licença de uso mais taxa de manutenção mensal, contratos que cobram um valor por transação e outros modelos. Cada fornecedor também pratica seus próprios preços, por isso, não há outra forma de se informar sobre valores a não ser, ligando para cada um deles.
Caso tenha interesse em experimentar gratuitamente a funcionalidade de um portal web, entre em contato com a WEB TRAVEL SOLUTIONS

PORTAIS DE VENDAS
Alguns exemplos desses portais são os sites: SUBMARINO.COM.BR, PONTOFRIO.COM.BR, STELLABARROS.COM.BR, CVC.COM.BR, e outros. As desvantagens desses portais é o fato de que a empresa que possui um portal precisa ter uma equipe de central de atendimento sempre presente e que retire as dúvidas de seus clientes e solucione problemas que possam vir a ocorrer. Nada impeditivo pras agências de viagens que já vendem seus pacotes no dia-a-dia. Para o desenvolvimento desses portais há soluções prontas de empresas de desenvolvimento que oferecem um serviço específico para a área do turismo, entre elas:
  1. B2W Viagens (B2W)
  2. Easy (Smart)
PREÇO: O valor depende da análise do cliente pelo fornecedor. Existem contratos que são feitos por licença de uso mais taxa de manutenção mensal, contratos que cobram um valor por transação e outros modelos. Cada fornecedor também pratica seus próprios preços, por isso, não há outra forma de se informar sobre valores a não ser, ligando para cada um deles.


BACKOFFICE
Sistemas backoffice são os principais software de turismo e tem a principal função de armazenar os dados, efetuar cadastros manuais de informações, gerir o que é passado de informações pra eles e realizar operações de rotinas de trabalho que envolvem maior processamento do computador. Eles lembram muito os sistemas e software comuns que a gente vê em locadoras de vídeo, supermercados, lojas e todas outras áreas, onde na área do turismo eles tem funções como conciliação de serviços, processamento das informações financeiras de pagamento, cálculo de fee (comissão por serviço para as agências de viagem), faturamento das vendas, análise de crédito, controle de eventos, tour codes (códigos promocionais), BSP/COPET (método de conciliação de vendas para uma companhia aérea), dentre outros. Além disso, eles fazem todas as funções básicas de um ERP (Enterprise Resource Planning) que são softwares que controlam a empresa de um modo geral efetuando controles de fluxo de caixa, departamento pessoal, suprimentos, tributos, contabilidade, etc. Eles também executam a migração dos dados das vendas feitas nos portais de vendas, Self-booking ou GDS do início ao fim, poupando tempo do agente de viagens em não precisar digitá-los manualmente no backoffice. Sua principal vantagem fica no gerenciamento de informações que acabam sendo pertinentes para quem administra a agência de viagens facilitando a tomada de decisões, além de manter todos dados da empresa guardados. Outra vantagem fica na emissão de relatórios corporativos para os mais diversos fins.

Segue uma lista dos principais sistemas de backoffice disponíveis no mercado do turismo:
  1. BackOffice Turismo (Benner Sistemas)
  2. Regente (Senior Sistemas)
  3. SAP for Travel & Logistics Services (SAP)
  4. STUR (AGI)
  5. Sisav (MGSystem)
  6. Passaporte (Strive)
  7. WinTour (DigiRotas)
  8. My Sabre Plus (Sabre)
PREÇO: O valor depende da análise do cliente pelo fornecedor. Existem contratos que são feitos por licença de uso mais taxa de manutenção mensal, contratos que cobram um valor por transação e outros modelos. Cada fornecedor também pratica seus próprios preços, por isso, não há outra forma de se informar sobre valores a não ser, ligando para cada um deles.

Postar um comentário

CADASTRE SEU EMAIL E SEJA AVISADO SOBRE NOVAS POSTAGENS 

ÍNDICE DO BLOG