Douglas Wires, nasceu em 1971, é casado e mora atualmente no Rio de Janeiro, atuando no mercado de turismo desde 1995. Fluente em inglês, é emissor Amadeus e Sabre de passagens aéreas nacionais e internacionais. Trabalhou em empresas como: VARIG, OCEANAIR e CARLSON WAGONLIT, adquirindo sólidos conhecimentos e experiência em cálculos de tarifas aéreas, supervisão de reservas e negociação de serviços de viagens.

REGRAS TARIFÁRIAS - PARTE III

Os contratos aéreos se dividem em duas formas: REGRAS TARIFÁRIAS e CONTRATOS. Um é complemento do outro e o fato do GDS tarifar um PNR fora das regras tarifárias ou contrário as restrições no contrato, não significa que o TKT poderá ser emitido, ou, que pode ser emitido porque o GDS irá honrar o “erro”.  São detalhes como este e outros que veremos em cada uma dessas partes com os seus principais itens/parágrafos analisados a seguir.

As regras tarifárias já são as cláusulas do contrato que é o próprio bilhete aéreo. Elas se dividem em 3 partes:

DIVISÃO DA ESTRUTURA DAS REGRAS TARIFÁRIAS
PARÁGRAFOS* MAIS IMPORTANTES
PARTE 1 - APLICAÇÃO DO CONTRATO
BO, CO, FL, RU, SE, TF
PARTE 2 - RESERVAS
AP, MN, MX, SO
PARTE 3 - EMISSÃO
CD, OD, PE, SR, TE
*Estes parágrafos são os utilizados pelo sistema Amadeus.

PARTE 3 - EMISSÃO

CHILD DISCOUNT (CD)
Exibe informação do percentual de desconto para crianças, infants e menores desacompanhados.

OTHER DISCOUNTS (OD)
Informa se a tarifa oferece descontos para outros tipos de PAX, como passageiro idoso.

TICKET ENDORSEMENT (TE)
Informa sobre reembolso, endosso e o que deve ser inserido na máscara do TKT e/ou no PNR. Note que informações como “NONREF/NONEND”, referente a este parágrafo, é gerada automaticamente pelo sistema na máscara do TKT quando se tarifa a reserva, evitando assim a necessidade de consultar a regra tarifária no que se refere a este assunto.

SALES RESTRICTIONS (SR)
A) Informa sobre PTA, se é permitido retorno em aberto, se a tarifa possui restrição para acúmulo de milhas e se a validade do TKT ou da tarifa pode ser estendida.

B) Frases do tipo: “Each ticket shall be marked “nonupgradeable”, “nonrefundable” and “nonendorsable”, significa que se o bilhete é nonupgradeable” é porque não é permitido reemissão para uma classe diferente da que foi emitida no bilhete original.

PENALTIES (PE)
Embora nem sempre o valor aparece na disponibilidade de tarifas, pode-se encontrar informações de isenção de multa, o valor da multa por no show e o valor da multa para reemitir o TKT com mudança de data. Às vezes informa sobre reembolso, endosso e reitineração.

Mesmo que não haja nenhuma informação nos Indicadores de Restrição de Datas e nenhuma restrição quanto ao período de aplicação da tarifa, pode-se ainda assim ser induzido ao erro se você não souber interpretar frases maliciosas exibidas neste parágrafo, como:

“IF ANY PART OF THE TICKET IS UNUSED IT HAS NO VALUE AFTER TICKETED DEPARTURE DATE. ITINERARIES MAY BE REBOOKED UP TO ONE YEAR FROM ORIGINAL TICKET ISSUE DATE PROVIDED PASSENGER CANCELS THE TICKETED FLIGHT RESERVATION PRIOR TO TICKETED DEPARTURE TIME.”

Traduzindo: suponhamos que hoje seja 10 de Outubro e você emitiu um bilhete para um cliente cuja a data de partida é 10 de Novembro. Se no parágrafo PENALTY (PE) constar esta observação ou algo parecido acima, isto significa que o PAX tem que solicitar a reemissão antes do dia 10 de Novembro, caso contrário ele perderá o bilhete porque ele não foi utilizado, mesmo que o agente de viagens tenha cancelado o vôo para não haver NO SHOW. O bilhete pode ser remarcado para qualquer data daqui há um ano, há contar da data de emissão (10 de Outubro) do bilhete aéreo.

Tais frases podem ser aplicadas também em contratos de grupo. O conhecimento de business English é essencial nestas horas para se entender o significado de uma palavra que pode influenciar toda a venda. Veja este exemplo:

“A DEPOSIT IS REQUIRED TO SECURE THIS AGREEMENT. DEPOSITS CANNOT BE APPLIED TOWARD THE PURCHASE OF TICKETS.”

Traduzindo: a palavra sublinhada especifica que não se pode usar o valor do depósito para abater o valor da tarifa do bilhete. Em outras palavras: o depósito não pode ser usado como desconto no valor do bilhete, cujo qual precisa ser emitido com o seu valor integral.

Quando se emite um bilhete com duas bases tarifárias diferentes, a multa que irá prevalecer será a da base tarifária com o maior valor. Exemplo: a multa da base tarifária da ida é US$ 100.00 e a multa da base tarifária da volta é US$ 50.00. Se for reemitir ida e volta, a multa aplicada será de US$ 100.00. Se for reemitir somente a volta, a multa  cobrada  será US$ 50.00! 
Esse vídeo ilustra muito bem a importância de se consultar as regras tarifárias antes de se vender uma passagem a um cliente.
 

CLIQUE NO LINK PARA LER:  REGRAS TARIFÁRIAS - PARTE I
http://bastidoresdoturismo.blogspot.com/2011/07/regras-tarifarias-parte-i.html
CLIQUE NO LINK PARA LER:  REGRAS TARIFÁRIAS - PARTE II
http://bastidoresdoturismo.blogspot.com/2011/07/regras-tarifarias-parte-ii.html
CLIQUE NO LINK PARA LER:  REGRAS TARIFÁRIAS - PARTE III
http://bastidoresdoturismo.blogspot.com/2011/07/regras-tarifarias-parte-iii.html

Postar um comentário

CADASTRE SEU EMAIL E SEJA AVISADO SOBRE NOVAS POSTAGENS 

ÍNDICE DO BLOG