Douglas Wires, nasceu em 1971, é casado e mora atualmente no Rio de Janeiro, atuando no mercado de turismo desde 1995. Fluente em inglês, é emissor Amadeus e Sabre de passagens aéreas nacionais e internacionais. Trabalhou em empresas como: VARIG, OCEANAIR e CARLSON WAGONLIT, adquirindo sólidos conhecimentos e experiência em cálculos de tarifas aéreas, supervisão de reservas e negociação de serviços de viagens.

GUIA DE ANÁLISE E APLICAÇÃO DE CONTRATOS AÉREOS

Estes pontos destacados na tabela a seguir servem de guia para você se direcionar durante a leitura de um contrato. Alguns deles podem conter informações que normalmente não são inseridas nos parágrafos das regras tarifárias. Lembre-se: mesmo que tais informações não estejam descritas na regra tarifária, elas valem se estiverem no contrato! O fato do GDS tarifar um PNR fora das regras tarifárias ou contrário as restrições no contrato, não significa que o TKT poderá ser emitido, ou, que pode ser emitido porque o GDS irá honrar o “erro”.  Isso não é certo, a não ser o debit memo que você receberá por ter feito uma emissão errada.

ITENS A SEREM ANALIZADOS NOS CONTRATOS & REGRAS TARIFÁRIAS




TIPO DE
TARIFA

O que determina a aplicação do contrato é a base tarifária. Muitas agências de viagens trabalham com mais de um tipo de contrato:
  • Contrato de Tarifas Publicadas.
  • Contrato de Tarifas Bulks ou de Consolidador.
  • Contrato de Airpasses. 
A partir do momento que a base tarifária é identificada como sendo uma tarifa publicada, por exemplo, então o agente de viagens já saberá que deverá consultar o contrato de tarifas publicadas para a análise dos passos seguintes.








APLICAÇÃO DE
VÔO

Um contrato pode determinar que:
  • Vôos codeshares não têm comissão.
  • A comissão é menor em vôos codeshares.
  • A comissão só será paga se o PNR for feito com vôos 100% online.
  • Vôos interlines têm que ser com uma das cias aéreas parceiras da cia aérea que opera o trecho internacional. 
A confusão da aplicação de um contrato ao invés do outro ocorre quando o agente de viagens não  seguiu o procedimento anterior que é descobrir qual é o tipo de tarifa. Pois, um Contrato de Tarifas Publicadas pode determinar que a comissão só será paga se o vôo for 100% online.

Se o agente de viagens, que está vendendo um bilhete com o trecho MIA/GRU/REC com a American Airlines e com a TAM no trecho doméstico com tarifa publicada, consultar um Contrato de Tarifas Bulks, onde esta restrição de viagem do vôo (100% online com a cia aérea que opera todo trecho) não existe, ele receberá um debit memo devido ter emitido um bilhete aplicando o contrato errado.


APLICAÇÃO DE
ROTA

Refere-se aos destinos (países, área ou região) de aplicação do contrato com uma cia aérea, além de informar o tipo de viagem que pode ser aplicada na emissão do bilhete: double open jaw ou circle trip.


TOUR CODE

Deve-se  procurar no contrato se há tour code para ser inserido.



MINIMUM STAY

O fato do GDS tarifar um PNR com um Minimum Stay indevido, não justifica que o TKT pode ser emitido. O Minimum Stay pode ser determinado: pelo número de dias ou por qualquer dia da semana, determinado pela palavra overnight (exemplo: Saturday Overnight).









COMISSÃO

A comissão pode ser analisada da seguinte forma quanto a sua aplicação:
  • Análise da classe do vôo: num contrato existem classes de vôo com comissões diferenciadas.
  • Área de aplicação: um contrato pode especificar, por exemplo,  que saindo ou retornando para Miami a comissão na classe H é 20%  e que saindo ou retornando para Los Angeles, a comissão na mesma classe H é 10%. Assim, a comissão paga será a menor (10%), caso o PNR  for feito na rota MIA/GIG/LAX. Este mesmo raciocínio é aplicado também em pontos distintos: vôos com destino para a Argentina, saindo dos USA, são comissionados em 15% enquanto que vôos com destino ao Chile, também saindo dos USA, a comissão é de 10%.
  • Depende  do vôo interline: um contrato especifica que a comissão só será paga se o vôo interline for com uma cia aérea pertencente a uma das alianças ou parceira. Logo, se for emitir um TKT com o trecho NYC/GRU/VIX operado no trecho internacional pela United, o trecho doméstico (trecho interline)  tem que ser operado pela VARIG, caso contrário, não haverá comissão.


MARKUP

Atente-se quanto ao limite máximo de comissão permitido para ser adicionado na tarifa de consolidador (tarifa bulk) do contrato com a cia aérea. Algumas cias aéreas também estipulam um markup mínimo para emissão do TKT.



RESTRIÇÕES

Certos contratos podem proibir a emissão de PTA, paper tickets, limitar o número máximo de PAX em um PNR de grupo para não dar TKT gratuito para o Tour Conductor, restringir vôos, etc.


Os exemplos de entradas do Amadeus abaixo servem de modelo de como um agente de viagens pode utilizar os comandos do GDS para filtrar tarifas e obter cotações de acordo com o perfil da tarifa especificado:

1) Para consultar tarifas em Dólar, reembolsáveis e sem taxas de embarque, transmita:
FXC GIG/D12SEPMIA/D22SEPGIG/R,FC-USD,WT,*RF

2) Para consultar tarifas em Dólar, sem taxas de reemissão e sem taxas de embarque, transmita:
FXC GIG/D12SEPMIA/D22SEPGIG/R,FC-USD,WT,*NPE

3) Para consultar tarifas em Dólar, sem taxas de reemissão e reembolsáveis, transmita:
FXCGIG/D12SEPMIA/D22SEPGIG/R,FC-USD,*NPE,*RF

Postar um comentário

CADASTRE SEU EMAIL E SEJA AVISADO SOBRE NOVAS POSTAGENS 

ÍNDICE DO BLOG